5/12/2008

Sobrenatural Natural

O que pretendo vos transmitir é mais uma reflexão biblicamente filosófica que qualquer outra coisa. Penso no entanto, que será interessante pensarmos no que vos apresentar e se possível discuti-lo.

Vivemos dias em que o sobrenatural atrai a humanidade. Bem! Não vivemos dias, sempre foi assim! Desde os primórdios da humanidade (após a queda) que o sobrenatural, o desconhecido espiritual, atrai milhões e milhões de pessoas.

Entendemos sobrenatural como algo que vai além da nossa natureza humana, logo estamos virados, focados, numa realidade espiritual.

No entanto aquilo que é sobrenatural a nós é completamente natural no mundo espiritual. Assim o mundo espiritual só é sobrenatural dependendo da perspectiva com que se olha. Do nosso ponto de vista, o mundo espiritual é sobrenatural pois está além da nossa natureza, na perspectiva de Deus, anjos e demónios, o que para nós é sobrenatural é para eles natural, pois vivem na sua própria natureza que tem a capacidade de se revelar na nossa esfera natural.

Mas essa esfera para nós sobrenatural é algo que nos atrai (falo como humano). O desconhecido; o que se esconde no obscuro; o que se passa no mundo invisível; são coisas interessantes, apelativas. O ser humano corre na procura dessa realidade.

Como cristãos procuramos também o sobrenatural, o sobrenatural de Deus. Desejamos, ansiamos ver aquilo que é impossível à natureza realizar, desejamos contemplar este Deus invisível e ver a glória que não podemos observar.

Eu quero ver os milagres de Deus, eu quero ver a glória de que Jesus falava. Esse mundo sobrenatural, o “além”, o “transcendente” atrai-me! Acho que atrai todos nós.

No entanto o que tenho pensado neste dias, principalmente depois de vir viver para Miranda do Douro, é se não andamos à procura desse sobrenatural e deixamos de observar o sobrenatural natural. Se calhar estão a ler esta expressão, sobrenatural natural, e não estão a compreender o que pretendo transmitir, mas tentarei explicar adiante. A minha reflexão enfatiza este aspecto, o contemplar o sobrenatural natural.

Vivemos o dia-a-dia como cristãos, pensado no dia em que Deus revelará a sua glória de uma forma sobrenatural e ficamos variadas vezes frustrados por não a vermos. Isso acontece comigo, até que de alguma forma Deus me ajudou a mudar de perspectiva e a contemplar o sobrenatural natural.

Se pensarmos bem, tudo ou praticamente tudo, é sobrenatural. O mundo em vivemos é natural, mas sobrenaturalmente criado pela Palavra de Deus (Hb 11:3). Nascemos de uma forma natural, mas na realidade somos criados de uma forma sobrenatural por Deus (Sl 139). O sol se levanta naturalmete, mas na realidade Deus de uma forma sobrenatural o levanta (Mt 5:45). A chuva cai pelo processo natural mas é Deus quem sobrenaturalmente a concede (Mt 5:45). A saúde é algo perfeitamente natural mas sobrenaturalmente sustentada por Deus (Pro 4:20-22; 16:24). Poderíamos pensar em outras tantas coisas nesta mesma perspectiva.

Qual o problema então que se levanta quando falamos do sobrenatural de Deus? É que procuramos a parte desconhecida de Deus (devemos fazê-lo, não sou contra, bem pelo contrário) em detrimento daquilo que Dele já conhecemos.

A saúde, o sol, a chuva, a criação, os nascimentos, são tão naturais, tão comuns à nossa natureza, porque os podemos ver com os nossos olhos, que por demasiadas vezes nos esquecemos que estão completamente além da nossa realidade natural. Todas estas coisas nos transcendem. Nenhum humano pode criar a vida natural, porque na realidade ela é sobrenatural, ela é além da nossa natureza. Nenhum ser humano pode gerar outro humano sem a ajuda do sobrenatural de Deus. Tão natural é o facto de eu existir que vezes sem conta me esqueço que existo e permaneço em existir por causa da acção sobrenatural de Deus (Cl 1:17).

Se equilibrássemos a nossa perspectiva do que é sobrenatural iríamos ansiar coisas menos, “místicas”, e procurar encontrar Deus (a pessoa sobrenatural), naquilo que é natural. Se virmos as coisas destas formas, veremos Deus em vários lugares e situações e automaticamente estaremos a ter contacto com o sobrenatural.

Nota: Quem ler este artigo pode pensar, “este rapaz não acredita em milagres”, mas tal pensamento não é verdade. Acredito em milagres; não vejo os milagres como um fim, mas sim como um meio onde Deus se revela. No entanto tenho-me apercebido que essa procura por esse aspecto sobrenatural tem desequilibrado muita gente e levado alguns a uma frustração espiritual e a ficarem escravos da fé, quando a fé não nos devia escravizar, mas sim, quando aplicada no lugar correcto, nos libertar.

Esse sobrenatural é necessário, mas existe este sobrenatural que está naturalmente exposto diante dos nossos olhos que infantilmente ignoramos.

1 Biblos:

Museu disse...

Caro Pastor Daniel
Em primeiro lugar parabéns pelos excelentes blogues que mantém na internet.
Estou a trabalhar no museu ad e visitei os seus blogues a fim de receber alguma informação. Agradeço me envie o seu e-mail para lhe enviar duas fichas para preencher. Obrigado. Constantino