10/26/2006

Dúvidas que por vezes me assombram.

Penso para mim próprio. Será possível acreditar, ou melhor, será possível Deus existir?
Olho para a Bíblia com olhos de fé. Olho para ela como um livro digno de confiança, não por gostar de o ler, mas porque nunca me enganou! Mas ainda assim algo dentro de mim, muitas vezes me questiona. Será a Bíblia, palavra de Deus? Será que Deus realmente fala? Creio que sim, mas algo me diz que não, porque muitas vezes o seu silêncio enche os meus ouvidos...
Olho para os meus momentos de oração e penso, quantas vezes sinto que as minhas orações não passam do teto?! Será que alguma vez passaram!? Se Deus não existir nunca passaram! Se Deus existir, então, pelo menos algumas vezes, passaram!
Olho para a natureza, e vejo algo gigante diante de mim, algo incompreensivel! A Bíblia diz que Deus criou o que os meus olhos contemplam, mas e se Deus não existe? Ou se a Bíblia não é realmente o livro de Deus?
Mas depois paro para pensar. Falo para mim próprio e digo, "Daniel, quantas pessoas conheces-te que nunca te mentiram?"- e a mim próprio respondo - "nenhuma!"- "então" - penso - "se alguém não te mentiu, deve ser superior ao homem?" - Reflito - "Sim. Se a bíblia nunca me mentiu, ela está acima dos homens. Merece confiança"
Continuo a pensar. Paro na criação. Quais as alternativas que existem? Deus criou tudo, ou tudo apareceu, tal e qual como está (universo), de um momento para o outro. Perante estas duas alternativas, rendo-me, e volto a acreditar que Deus tem que existir. Porquê? Porque é mais fácil acreditar que alguém superior ao homem criou tudo isto, do que acreditar que por e simplesmente tudo apareceu. Tu e eu!
E acreditando que Deus existe, volto a acreditar que as orações que não passaram do tecto, afinal chegaram ao seu trono, e Ele ouviu-as.

11 Biblos:

Lai disse...

Eu tambem creio que Deus existe!
e ninguem poderá me demover desta certeza...
é algo que eu descobri, é uma verdade que encontrei...
para mim o "cumulo" da confiança em Deus, de ter a certeza que Ele existe e que está AQUI vêm de Job:
"Ainda que ele me mate, nele esperarei..."
(este job era demais)

Obrigada, daniel, por apareceres lá no "outro lado do monte"

DTA
Lai

Luis Castanheta disse...

Quanto mais cientifica e racinal fôr a nossa forma de pensar, mais dificil se tornará a acção de negarmos a existência de Algo Superior.
Se de seguida desejarmos aprofundar (na base da ciência) o nosso conhecimento sobre esse Algo, então que com alguma facilidade admitiremos que esse mesmo algo sómente se poderá chamar Deus.

Vítor Mácula disse...

Caro Daniel.

Eu por vezes, num estado que se quer orante, abro a Bíblia ao acaso (deveria talvez dizer, à Providência ;) e respostas, ou melhor, sinais me invadem sempre.

É a algo do género que te referes quando dizes que a Bíblia nunca te mentiu, ou referes-te a uma verdade objectiva dos seus enunciados?

Um abraço.

PS: Aproveito para dizer que vos vou linkar quando for lá ao template.

Daniel disse...

Vitor, não sei se percebi bem a tua pergunta, mas em todo o caso aqui vai a minha resposta.
Quando me refiro ao caso em questão, refiro-me ao meu dia a dia. A bíblia nunca me mentiu, porque aquilo que ele diz em "teoria", concretiza-se na "prática".
Se não era esta a resposta que pretendias, reformula, por favor, a pergunta, porque como alguém já disse, "não há nada pior que uma pergunta mal entendida".

Ruben disse...

Acredito que quanto mais experimentamos de Deus, através dos anos, mas confiança teremos. A maturidade espiritual ganha-se com custo. Bons pensamentos, Daniel. Problematizador...

Vítor Mácula disse...

Penso que respondeste, sim.

Uma coisa é viver o apelo de Deus na Bíblia (para o caso, visto que Ele nos chama por todos os lados ;) e configurar a sua vida com tal apelo – que penso ser o sentido do que dizes, mas se não for… “não há nada pior do que uma resposta mal entendida”. Outra seria dizer que a Bíblia é um livro (ou melhor, conjunto de livros) onde a verdade de tudo está lá objectivamente relatada (ver lá remissões para a física quântica, por exemplo, e não digo que não seja possível, estava apenas a tentar perceber que sentido estavas a dar à palavra “mentira”, para o caso.)

di disse...

Apesar das circunstancias nos fazerem duvidar, o melhor de tudo é chegar ao fim e continuar a acreditar que só o Pai é perfeito, ao ponto de criar algo sublime como a natureza.

Sound Master disse...

Exelente Blog. 5 estrelas. Parece que o mundo é pequeno. Pelos vistos temos várias paixões em comum - o gosto pelo música (cristã), pela Palavra de Deus, pelas mesmas igrejas (no meu caso CCVA) e mesma localidade. Deus te abençõe ricamente. Já agora pode consultar o meu outro site http://gospel.planetaclix.pt.

Marlene Maravilha disse...

Achei linda a tua sinceridade meu irmão. Por vezes acredito que muitos momentos na nossa vida são desta realidade. Amém que chegaste a conclusão. Realmente tenho como certeza absoluta e fé, as escrituras, e por ela direciono a minha vida. Acredito nas orações sim, e tenho certeza absoluta que Deus nos escuta, nos livra e está conosco até nestes momentos intermitentes aos pensamentos. Minha vida é um milagre deste Deus soberano! Gostei muito do texto e te linkei no meu blog!
abraços do outro lado do oceano!

Daniela Mann disse...

Gosto do teu blog, parabéns!

Pedro disse...

Filosofias à parte, a possibilidade de Deus não existir é nula. Acreditar, por um esticar da imaginação, que tudo (atenção ao significado inerente à palavra TUDO) surgiu, não por acaso mas do nada - façamos aqui uma pausa para considerar o que é nada... o nada não é sequer o vazio, porque até esse existe. O nada é a completa ausência de seja o que for. Pensamentos, matéria, tudo (novamente esta palavra) - é pura e simplesmente absurdo. ABSURDO!

Crer que algo pode surgir do nada é ridículo, para não dizer intelectualmente desonesto. O que vemos teve de vir de algum lado. Ora bem, como tudo (...) tem uma causa, não é possível que exista uma infinidade de causas. Tal concepção não é mais que um subterfúgio para evitar lidar com a realidade. E a realidade que se nso apresenta é que tudo teve de surgir a partir de algo. Esse algo tem forçosamente que ser independente de uma causa (ou seja, não ser um efeito) mas ser por si mesmo a causa que subsiste por si só. Ou seja, Deus.

Portanto, se alguém quiser por si só descobrir se Deus existe ou não, ponha o miolo a funcionar por um bocadinho, é fácil chegar lá. Claro, aja de acordo com as conclusões que tirar...

Olá Daniel, abraço!